ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

O conteúdo desta página só pode ser visualizado na vertical!


imagem
Revista PORT.COM • 16-Mar-2017
Cientistas liderados por português detetam vento meridional em Vénus



Pedro Machado lidera o projeto de investigação, mas tem colaboradores em vários pontos do mundo, como Paris ou Japão, da agência espacial japonesa.

Um grupo de cientistas internacionais liderado por um português identificou a existência de circulação de vento entre o equador e os polos, em Vénus, o que contribuiu para explicar a super rotação deste planeta.

Pedro Machado, que lidera a equipa, disse que "os nossos resultados, que são publicados hoje, mostram sem sombra de dúvidas - é complemente claro -, que existe realmente uma célula de Hadley, uma circulação meridional entre a zona equatorial e cerca de 60 graus de latitude norte, e outra célula simétrica no hemisfério sul", em Vénus.

O cientista do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA1) e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) acrescentou que o resultado do trabalho, ontem publicado na revista científica Icarus, referência na área de estudo do Sistema Solar, aponta para a existência, "como os modelos previam (...) de somente uma célula em cada hemisfério, em vez das três que existem na Terra, por exemplo".

"Termos a evidência de que existe realmente esta circulação é muito importante para tentar compreender algo que tem sido um 'puzzle' há décadas, que é o fenómeno da super rotação da atmosfera de Vénus", realçou.

Pedro Machado explicou o movimento do vento meridional, dizendo que o ar aquecido na zona equatorial recebe mais radiação, aquece e sobe.

Ao nível da altura das nuvens em Vénus, que é de cerca de 70 quilómetros de altitude, a circulação segue ao longo dos meridianos, até cerca de 60 graus de latitude e desce.

"Existe um ramo desta circulação meridional abaixo da camada de nuvens de ar mais frio, que já entregou a sua energia em excesso nas altas latitudes, e regressa ao equador, fechando a célula", resumiu o cientista.

Esta observação, defendeu, "é crucial para compreender a super rotação porque não se percebia como é que havia energia suficiente nas altas latitudes, onde recebe menos quantidade de radiação solar, para acelerar as partículas e para ter ventos".

Em Vénus, a atmosfera roda cerca de 60 vezes mais rápido do que o globo sólido, o planeta em si, "um fenómeno muito raro", apontou o investigador do instituto de astrofísica.

Vénus roda muito lentamente, "uma rotação completamente sobre si próprio é mais lenta do que o ano - uma rotação à volta do sol -, e a dinâmica da atmosfera é totalmente diferente da circulação atmosférica na Terra", onde a atmosfera acompanha a rotação do planeta, explicou Pedro Machado.


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
A Lei da Nacionalidade
José Cesário
Deputado do PSD eleito pelo círculo da emigração
As remessas dos emigrantes
Daniel Bastos
Historiador
Estudar em Inglaterra é (excessivamente) caro... Será que vale a pena?
Catarina Demony
Co-Autora do projeto Little Portugal
DISCURSO DIRETO
Um revés inesperado antes de chegar ao Reino Unido
Sérgio Fonseca
REINO UNIDO
Viver no Dubai, uma experiência incomparável
Sónia Costa
EMIRADOS ÁRABES UNIDOS
Como é ser um português recém-chegado a Nova Iorque
David Salgado
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ