ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

O conteúdo desta página só pode ser visualizado na vertical!


imagem
Revista PORT.COM • 13-Jan-2017
Projetos de fundos comunitários devem estar em língua portuguesa



Os dois instrumentos de engenharia financeira no novo quadro de financiamentos comunitários Portugal2020 são o IFRRU, de 247 milhões de euros, dedicado à reabilitação e revitalização e o IFE de 366 milhões de euros centrado na eficiência energética.

O Governo deve assegurar uma versão em língua portuguesa dos documentos relacionados com os instrumentos de engenharia financeira, segundo um relatório do Tribunal de Contas (TdC) sobre a iniciativa JESSICA.

Nas conclusões, o TdC notou que o acordo de financiamento do Jessica, iniciativa destinada a projetos nas cidades, as suas adendas e os acordos operacionais estavam apenas na língua inglesa, "apesar da sua complexidade técnica e de terem de ser observados por múltiplas entidades nacionais".

A auditoria a este instrumento financeiro associado ao Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) decorreu entre 20 de julho de 2009 e 31 de dezembro de 2014, com a apreciação da execução financeira atualizada a 30 de junho de 2015.

Nessa altura o financiamento ascendia a 127 milhões de euros, mas com os desembolsos aos beneficiários finais a totalizar 83,8 milhões de euros, "representando taxas de aprovação e de desembolso de 96,6% e 66,0%, respetivamente", segundo o relatório.

Sob gestão do Banco Europeu de Investimento (BEI) e sob a responsabilidade do Turismo de Portugal, CGD e BPI, a Iniciativa JESSICA transferiu recursos financeiros para Fundos de Desenvolvimento Urbano (FDU), que, por sua vez, apoiam projetos urbanos. Os reembolsos fazem o circuito inverso.

"Nos termos atualmente contratados, só em 2031 se prevê o reembolso a Portugal dos meios financeiros nessa data existentes pelo BEI, enquanto gestor do Fundo Jessica", lê-se. A 31 de março de 2017 as verbas contratadas pelas entidades gestoras dos FDU têm que ser aplicadas em projetos urbanos pelo menos uma vez.

 

Face às conclusões e à existência de novos instrumentos no quadro da União Europeia, o TdC recomendou ainda ao Governo para "ponderar a alternativa" de dotar os instrumentos de "personalidade jurídica, de património autónomo e órgãos próprios, sistemas de informação e de fiscalização adequados de forma a proteger, na sua plenitude, os recursos públicos envolvidos e garantir a transparência e a prestação de contas".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal, o segundo país da Europa com mais emigrantes
Daniel Bastos
Historiador
As Comunidades Portuguesas e os Municípios
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelas comunidades
Mercado Imobiliário: Algarve, destino de eleição para portugueses e franceses
Pedro Rosa
Consultor imobiliário
DISCURSO DIRETO
Depois de África e América, viver no Reino Unido
Tiago Oliva
REINO UNIDO
A aventura de trabalhar na Argélia
Pedro Miguel Ramos
ARGÉLIA
Um MBA na China, uma experiência internacional
Filipe Castro
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ