ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

O conteúdo desta página só pode ser visualizado na vertical!


imagem
Revista PORT.COM • 13-Jan-2017
Projetos de fundos comunitários devem estar em língua portuguesa



Os dois instrumentos de engenharia financeira no novo quadro de financiamentos comunitários Portugal2020 são o IFRRU, de 247 milhões de euros, dedicado à reabilitação e revitalização e o IFE de 366 milhões de euros centrado na eficiência energética.

O Governo deve assegurar uma versão em língua portuguesa dos documentos relacionados com os instrumentos de engenharia financeira, segundo um relatório do Tribunal de Contas (TdC) sobre a iniciativa JESSICA.

Nas conclusões, o TdC notou que o acordo de financiamento do Jessica, iniciativa destinada a projetos nas cidades, as suas adendas e os acordos operacionais estavam apenas na língua inglesa, "apesar da sua complexidade técnica e de terem de ser observados por múltiplas entidades nacionais".

A auditoria a este instrumento financeiro associado ao Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) decorreu entre 20 de julho de 2009 e 31 de dezembro de 2014, com a apreciação da execução financeira atualizada a 30 de junho de 2015.

Nessa altura o financiamento ascendia a 127 milhões de euros, mas com os desembolsos aos beneficiários finais a totalizar 83,8 milhões de euros, "representando taxas de aprovação e de desembolso de 96,6% e 66,0%, respetivamente", segundo o relatório.

Sob gestão do Banco Europeu de Investimento (BEI) e sob a responsabilidade do Turismo de Portugal, CGD e BPI, a Iniciativa JESSICA transferiu recursos financeiros para Fundos de Desenvolvimento Urbano (FDU), que, por sua vez, apoiam projetos urbanos. Os reembolsos fazem o circuito inverso.

"Nos termos atualmente contratados, só em 2031 se prevê o reembolso a Portugal dos meios financeiros nessa data existentes pelo BEI, enquanto gestor do Fundo Jessica", lê-se. A 31 de março de 2017 as verbas contratadas pelas entidades gestoras dos FDU têm que ser aplicadas em projetos urbanos pelo menos uma vez.

 

Face às conclusões e à existência de novos instrumentos no quadro da União Europeia, o TdC recomendou ainda ao Governo para "ponderar a alternativa" de dotar os instrumentos de "personalidade jurídica, de património autónomo e órgãos próprios, sistemas de informação e de fiscalização adequados de forma a proteger, na sua plenitude, os recursos públicos envolvidos e garantir a transparência e a prestação de contas".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A Lei da Nacionalidade
José Cesário
Deputado do PSD eleito pelo círculo da emigração
As remessas dos emigrantes
Daniel Bastos
Historiador
Estudar em Inglaterra é (excessivamente) caro... Será que vale a pena?
Catarina Demony
Co-Autora do projeto Little Portugal
DISCURSO DIRETO
Um revés inesperado antes de chegar ao Reino Unido
Sérgio Fonseca
REINO UNIDO
Viver no Dubai, uma experiência incomparável
Sónia Costa
EMIRADOS ÁRABES UNIDOS
Como é ser um português recém-chegado a Nova Iorque
David Salgado
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ