ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

O conteúdo desta página só pode ser visualizado na vertical!


imagem
Revista PORT.COM • 14-Mar-2017
Portugueses trabalham na adaptação de legislação do TC de São Tomé



A revisão dessa legislação está a ser feita por consultores do Tribunal de Contas de Portugal e financiada pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) através do Projeto de Apoio a Gestão Financeira (PAGEF).

Uma equipa de cinco consultores portugueses está a trabalhar na revisão da legislação do Tribunal de Contas (TC) são-tomense para adaptar o seu funcionamento às exigências das normas internacionais.

"Da entrada em funcionamento, em 2003, até hoje sem se rever o pacote legislativo faz com que se tenham detetado algumas situações que estão desfasadas das normas e exigências da comunidade internacional relativamente ao que deve ser o mandato do Tribunal de Contas", afirmou o presidente do TC, José Monte Cristo, à Lusa.

As leis que regulam o funcionamento do TC de Tomé e Príncipe foram feitas em 1999, tendo a instituição iniciado funções quatro anos depois. A nível de funcionamento interno, de acordo com o presidente do TC, essas leis precisam de ser "alinhadas a procedimentos que não estão claramente definidos na atual legislação".

"O que se pretende é que o pacote legislativo do Tribunal de Contas seja mais adequado às exigências do seu funcionamento. No âmbito da atual legislação, o Tribunal de Contas encontra alguma lacuna, alguma omissão e alguma imprecisão nos termos daquilo que é o seu mandato", explicou José Monte Cristo.

"A legislação do Tribunal de Contas data de 1999, está em várias leis avulsas, realmente precisa de alguma adequação as instituições superiores de controlo de todo o mundo, aliás ele insere-se numa organização internacional das instituições superiores de controlo e as boas práticas que são preconizadas a nível internacional", disse Eleonora Pais de Almeida do TC de Portugal, que integra a equipa de consultores portugueses que trabalham no projeto.

Eleonora Pais de Almeida referiu as leis que regulam o controlo e desenvolvimento da fiscalização cível da auditoria, o controlo prévio dos grandes atos e contratos sujeitos a vistos, o quadro de alargamento dos juízes e o estatuto de carreira específica da auditoria e verificação como as que "carecem de ser introduzidas na lei do tribunal, ou seja, condensá-las todas numa só lei".

Os consultores portugueses afirmaram estar na fase final desse projeto de revisão, tendo já feito a sua apresentação pública, devendo a versão final ser remetida às autoridades no final deste mês.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal, o segundo país da Europa com mais emigrantes
Daniel Bastos
Historiador
As Comunidades Portuguesas e os Municípios
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelas comunidades
Mercado Imobiliário: Algarve, destino de eleição para portugueses e franceses
Pedro Rosa
Consultor imobiliário
DISCURSO DIRETO
Depois de África e América, viver no Reino Unido
Tiago Oliva
REINO UNIDO
A aventura de trabalhar na Argélia
Pedro Miguel Ramos
ARGÉLIA
Um MBA na China, uma experiência internacional
Filipe Castro
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ